CDS questiona Governo se é verdade que há habitações "sem condições" entregues às vítimas dos incêndios de outubro de 2017 - Edição Jornal
32551
post-template-default,single,single-post,postid-32551,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

CDS questiona Governo se é verdade que há habitações “sem condições” entregues às vítimas dos incêndios de outubro de 2017

CDS questiona Governo se é verdade que há habitações “sem condições” entregues às vítimas dos incêndios de outubro de 2017

CDS questiona Governo sobre a entrega de casas sem condições de habitabilidade às vítimas dos incêndios de outubro de 2017, e “quer saber se é verdade que há habitações já entregues em que as portas não fecham, em que há estruturas com rachas, em que não há água, luz e esgotos e quantas”, e “se é feita uma vistoria às habitações, antes da receção e entrega da obra e por quem, que medidas já foram tomadas para solucionar estas falhas que consideram de extrema gravidade e quando é que se prevê que estejam entregues todas as casas, com todas as condições de habitabilidade”.

Hélder Amaral, Patrícia Fonseca e Ilda Araújo Novo querem saber se é verdade a denúncia feita pelo Movimento Associativo Apoio Vítimas Incêndio Midões (MAAVIM), de que está a ser feita entrega de casas sem condições de habitabilidade.

Questionam também quantos processos de candidatura para construção e/ou reconstrução de primeiras habitações foram recusados e com que fundamentos. Dizem em comunicado que “têm chegado ao Grupo Parlamentar do CDS-PP várias denúncias sobre a forma como está a ser feita a construção das casas para as vítimas dos incêndios de outubro de 2017”.  Referem ainda que, de acordo com informações recolhidas pelo Grupo Parlamentar CDS-PP, “as casas estão a ser construídas à pressa, há casos em que as portas não fecham, há estruturas com rachas, há habitações sem água, luz e esgotos”. Frisam que as denúncias foram confirmadas através de um comunicado que o Movimento Associativo Apoio Vítimas Incêndio Midões fez chegar ao Grupo Parlamentar CDS-PP, onde se lê:

«Nos últimos tempos verificamos a azáfama em ter obras prontas, entregando a CCDR-C, e o Ministério das Infraestruturas e Habitação, habitações sem água, luz e esgotos, continuando a executar obras sem verificação da existência anterior aos incêndios de outubro de 2017 e com contratações públicas de serviços que nunca avançaram»… 

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm