Distritais do CDS de Coimbra e de Viseu querem saber qual “o verdadeiro calendário” para as obras no IP3 - Edição Jornal
31575
post-template-default,single,single-post,postid-31575,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Distritais do CDS de Coimbra e de Viseu querem saber qual “o verdadeiro calendário” para as obras no IP3

Distritais do CDS de Coimbra e de Viseu querem saber qual “o verdadeiro calendário” para as obras no IP3

Os presidentes das distritais do CDS de Coimbra e de Viseu, Rui Nuno Castro e Hélder Amaral, respetivamente, querem saber “qual o verdadeiro calendário/cronograma para as obras do IP3” e dizem que não vão “aceitar ser enganados”, nem tomados por “parvos”, pode ler-se num comunicado conjunto das duas estruturas.

Os centristas defendem a importância da estrada para as populações e para o desenvolvimento dos dois distritos, e consideram que deveria ser tomada uma decisão semelhante à que foi encontrada para o IP5, ou seja, transformar um IP numa auto-estrada com quatro vias, mas dizem aceitar como “solução mínima” a promessa do Governo de duplicar 85% do traçado.

Já sobre as obras que decorrem no troço entre Penacova e Lagoa Azul, os dirigentes do CDS querem saber em que “cronograma se inserem” e se “são obras de mera manutenção”. Dizem ainda que há zonas do atual IP3 em estado muito mais degradado e a necessitarem de obras urgentes, e perguntam ao Governo, quando começam as “verdadeiras obras de requalificação do IP3”, pode ler-se no comunicado.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm

*****