Hélder Amaral ficou fora do parlamento e renunciou a todos os cargos políticos que desempenhava no CDS - Edição Jornal
33496
post-template-default,single,single-post,postid-33496,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Hélder Amaral ficou fora do parlamento e renunciou a todos os cargos políticos que desempenhava no CDS

Hélder Amaral ficou fora do parlamento e renunciou a todos os cargos políticos que desempenhava no CDS

Hélder Amaral decidiu abandonar todos os cargos políticos a nível nacional e distrital, que desempenhava no CDS-PP, na sequência dos resultados eleitorais de domingo, onde não conseguiu ser eleito para uma sexto mandato consecutivo como deputado.

Com Viseu nestas eleições a eleger apenas oito deputados, depois de ter perdido um nono representante pela redução em cerca de 24 mil eleitores, em comparação com 2015, PSD e PS dividiram os mandatos, cada um com quatro eleitos.

Hélder Amaral, 52 anos, ficou assim fora do parlamento e viu o CDS passar a ser a quarta força partidária no distrito, ultrapassado pelo Bloco de Esquerda.

Nas legislativas de 2015, a coligação Portugal à Frente tinha conseguido eleger seis deputados (cinco do PSD e um do CDS-PP), o que levou o líder da distrital do CDS-PP, Hélder Amaral, até ao Parlamento, no que foi a sua quinta presença numa legislatura.

Hélder Amaral considerou que a sua responsabilidade pelo resultado abaixo das expectativas é igual à de Assunção Cristas, e tomou a decisão de acompanhar a líder na renúncia aos cargos políticos que desempenhava nas estruturas nacionais e locais do partido.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm