Proibição de lançamento de fogo-de-artifício não agrada às empresas do setor - Edição Jornal
33047
post-template-default,single,single-post,postid-33047,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Proibição de lançamento de fogo-de-artifício não agrada às empresas do setor

Proibição de lançamento de fogo-de-artifício não agrada às empresas do setor

A Associação Nacional de Empresas de Produtos Explosivos (ANEPE) diz que há uma “onda de indignação” pela aplicação da proibição de lançamento de fogo-de-artifício, decretada pelo Governo, ao abrigo do  estado de alerta vermelho para o risco de incêndio que vigora em 13 distritos do país.

O lançamento de fogo de artifício é uma das proibições previstas mas a associação considera que os critérios não são aplicados de forma igual por todo o país.

Lembram os empresários que, enquanto no Centro / Norte não há fogo-de-artifício para ninguém, em Lisboa os festejos dos 15 anos do Rock In Rio encerraram com um grande festival pirotécnico.

Queixam-se os empresários do sector que houve uma autorização especial para Lisboa enquanto em outros locais do país, onde o lançamento de fogo de artifício estava também previsto para zonas ribeirinhas, à semelhança do que aconteceu em Lisboa, as autorizações foram negadas.

Queixa-se ainda a associação que esta proibição, “além de uma má imagem que dá ao sector, acarreta prejuízos muito avultados para as empresas”.

As Festas dos Remédios, em Lamego, foram um dos eventos onde o uso de fogo-de-artifício foi cancelado devido ao estado de alerta decretado pelo Governo para 13 distritos do país, entre os quais Viseu.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm

*****