Projeto Poldra coloca mais cinco esculturas na mata do Fontelo - Edição Jornal
33535
post-template-default,single,single-post,postid-33535,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Projeto Poldra coloca mais cinco esculturas na mata do Fontelo

Projeto Poldra coloca mais cinco esculturas na mata do Fontelo

A Mata do Fontelo de Viseu vai ter, já a partir de sábado, cinco novas esculturas no âmbito do projeto POLDRA, que pretende dotar a cidade de uma coleção escultórica a céu aberto.

Numa primeira fase o POLDRA já colocou três esculturas na mata do Fontelo, o `pulmão´ verde da cidade, e agora serão mais cinco.

O projeto, que vai na sua segunda edição, conta este ano com trabalhos dos portugueses Miguel Palma, e Liliana Velho, da chilena Elisa Balmaceda, e dos norte-americanos Steven Baric, Natália Bezerra e Kaitlin Ferguson.

O Poldra volta à mata do Fontelo numa altura em que há zonas ainda não circuláveis depois dos estragos provocados pelas tempestades Leslie, há cerca de um ano, e Helena, em fevereiro passado, e numa altura em que ainda decorrem trabalhos de inventário, e diagnóstico do estado de conservação e de limpeza das árvores, numa parceria da autarquia viseense com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Quercus.

O Poldra – Public Sculpture Project Viseu, tem um apoio financeiro de 50 mil euros concedido pelo município de Viseu.

Cristina Ataíde, o angolano Pedro Pires e o canadiano Neeraj Bhatia foram os artistas responsáveis pelas primeiras três esculturas do Poldra.

(fotografia: facebook POLDRA)

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm