Sernancelhe e Penedono: Prémio Direitos Humanos da Assembleia da República para a Aldeias Humanitar - Edição Jornal
34673
post-template-default,single,single-post,postid-34673,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Sernancelhe e Penedono: Prémio Direitos Humanos da Assembleia da República para a Aldeias Humanitar

Sernancelhe e Penedono: Prémio Direitos Humanos da Assembleia da República para a Aldeias Humanitar

A Aldeias Humanitar, projeto solidário criado em 2017, desenvolvido nos concelhos de Sernancelhe e Penedono, vai receber o Prémio Direitos Humanos da Assembleia da República em cerimónia marcada para o próximo dia 10 de dezembro.

O júri justifica a atribuição do prémio pela “atuação humanitária e inovadora na prestação de cuidados de saúde e sociais, no amparo das famílias e pessoas idosas que vivem em situação de vulnerabilidade ou isolamento e abandono, principalmente no interior do País”.

O prémio é anualmente atribuído a uma organização não governamental, ou personalidade, que se distinga na defesa dos direitos humanos.

A partir de janeiro do próximo ano, a Aldeias Humanitar vai estender a sua área de ação também ao concelho de Tabuaço, mas os responsáveis pelas Aldeias Humanitar têm como objetivo estender a sua zona de ação a outros concelhos do interior do país.

O projeto já este ano havia sido contemplado com o Prémio Healthcare Excellence da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares. O Aldeias Humanitar desenvolve ações de combate a situações de isolamento e abandono, provocados pela desertificação no interior, através da integração de cuidados que passam pela prestação de cuidados de saúde e pelo apoio social, com intervenções gratuitas.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.