14 autarcas e ex-autarcas de Viseu arguidos na Operação Éter - Edição Jornal
35776
post-template-default,single,single-post,postid-35776,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

14 autarcas e ex-autarcas de Viseu arguidos na Operação Éter

14 autarcas e ex-autarcas de Viseu arguidos na Operação Éter

O Ministério Publico constituiu arguidos 14 autarcas, e ex-autarcas, do distrito de Viseu, no âmbito da Operação Éter e da investigação às Lojas Interativas da Turismo do Porto e Norte de Portugal, mas ainda sem acusação formal sobre os mesmos.

São arguidos no processo, entre outros, o presidente da câmara de Viseu, Almeida Henriques, João Paulo Fonseca, de Armamar, Carlos Esteves, de Penedono, Garcez Trindade, de Resende e Carlos Carvalho, autarca de Tabuaço.

No processo há um total de 74 arguidos e além os cinco autarcas, estão ainda o empresário viseense José Agostinho e o ex-presidente da Turismo do Norte, o lamecense Melchior Moreira, e ainda mais nove pessoas com ligações a autarquias do distrito, e ex-autarcas, casos de Cláudia Damião, vereadora em Armamar, José Manuel Pinto, ex autarca de Cinfães e ainda o vice-presidente, Serafim Rodrigues, também Francsico Lopres, ex presidente da autarquia de Lamego, ainda António leitão, ex autarca de Resende, José Tulha, ex-autarca de São João da Pesqueira, Armando Mateus e Carlos santos, autarcas em Sernancelhe e José Damião Melo, vice-presidente da autarquia de Tarouca.

Todos estes atuais autarcas e ex-autarcas são arguidos no processo, embora o Ministério Público ainda não tenha deduzido acusação sobre os mesmos.

Melchior Moreira, ex-deputado do PSD eleito por Viseu, e que liderava a Turismo do Norte, está em prisão preventiva desde 18 de outubro de 2018 e já acusado por 36 crimes no âmbito do processo principal da Operação Éter, de alegada viciação de procedimentos de contratação pública, e de corrupção.

O gestor das empresas Celeuma, Média 360 e Tomiworld, José Manuel Agostinho, é outro dos principais arguidos neste processo.