Candidata ao Nobel da Literatura 2018 escreveu livro inspirado em terra de Moimenta da Beira - Edição Jornal
18179
post-template-default,single,single-post,postid-18179,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Candidata ao Nobel da Literatura 2018 escreveu livro inspirado em terra de Moimenta da Beira

Candidata ao Nobel da Literatura 2018 escreveu livro inspirado em terra de Moimenta da Beira

Anúncio da Academia de Ciências de Lisboa, feito há menos de uma semana, a convite do Comité Nobel da Academia Sueca, propõe Agustina Bessa-Luís como possível candidata para receber o Prémio Nobel da Literatura de 2018.

Agustina Bessa-Luís, a escritora que, em 1959, escreveu “A Mãe de um Rio”, um livro que conta uma história depois de ter visitado Alvite, do concelho de Moimenta da Beira, e que lhe inspirou a narração:

“Antigamente, sim, antigamente, a Terra tinha a forma quadrada, e um rio de fogo corria na superfície. Não havia aves nem plantas, as águas estavam nos ares como nevoeiro cor de ferro, e os ventos não as tinham distribuído ainda pelos quatro cantos agudos da Terra…”.  Assim começa este conto desta consagrada escritora portuguesa, que quatro décadas depois (em 1998) inspiraria também o cineasta e realizador Manoel de Oliveira para “Inquietude”, um filme baseado, em parte, nesta obra que conta a história de Fisalina, uma camponesa que um dia descobre que tem pontas dos dedos em ouro e que durante mil anos ela será a mãe de um rio.

Mas Agustina Bessa-Luís, considerada “um dos expoentes da literatura portuguesa contemporânea”, atualmente com 95 anos de idade, não  só escreveu  “A Mãe de um Rio”, como também gravou todo o conto com a sua própria voz. O CD existe e está à venda no mercado livreiro.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm