Arqueólogos querem desvendar as origens da Cava de Viriato - Edição Jornal
35715
post-template-default,single,single-post,postid-35715,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Arqueólogos querem desvendar as origens da Cava de Viriato

Arqueólogos querem desvendar as origens da Cava de Viriato

A origem da Cava de Viriato, um espaço em forma de octógono em Viseu, com cerca de 38 hectares, continua um enigma que os arqueólogos estão apostados em desvendar, e a investigação será uma das prioridades da segunda fase do programa Viseu Património.

O programa, agora apresentado, prevê também o desenvolvimento do projeto do terceiro polo do Museu de História da Cidade, que se segue ao do centro histórico e ao polo virtual, previsto para a Casa das Águias e que será um Centro Interpretativo da Cava de Viriato.

O Viseu Património foi lançado em 2016 pela Câmara de Viseu e tem por objetivo desenvolver, durante dez anos, uma estratégia de investigação e valorização do património histórico, arqueológico e cultural de Viseu.

A primeira fase focou-se na investigação do património edificado do centro histórico e na assessoria científica e técnica em projetos para a sua reabilitação.

A segunda fase vai agora dar especial atenção ao património arqueológico.

Além do conhecimento e da divulgação da Cava de Viriato, o município quer criar uma Carta Patrimonial de Viseu, valorizar a história e o património de projetos emblemáticos como a Casa das Bocas e o Orfeão e o jardim do Fontelo.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm