Câmara de Lamego acusada de factoring e condenada a pagar 900 mil euros - Edição Jornal
34824
post-template-default,single,single-post,postid-34824,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Câmara de Lamego acusada de factoring e condenada a pagar 900 mil euros

Câmara de Lamego acusada de factoring e condenada a pagar 900 mil euros

A Câmara de Lamego foi condenada pelo Supremo Tribunal Administrativo ao pagamento de mais de 900 mil euros.

Decisão judicial na sequência de um processo a propósito de um contrato de factoring, no âmbito da construção do Centro Multiusos, com a empresa Lamego Renova, uma parceria público-privada entre a autarquia e algumas empresas privadas. O Tribunal deu como provado o recurso ao factoring por parte do município, ou seja, tomada de créditos à entidade que os detinha, para depois os cobrar ao devedor original.

Segundo o presidente da autarquia de Lamego, Ângelo Moura, o caso vinha do anterior executivo, acrescentando que o Município foi agora condenado ao pagamento de mais de 900 mil euros, o que vai, segundo o autarca, “agravar” a débil situação financeira do município.

Ainda segundo o autarca, a Câmara de Lamego e a empresa Irmãos Cavaco, que integrou o consórcio construtor do Centro Multiusos, celebraram em 1 de fevereiro de 2008 um contrato de factoring, no qual cedeu créditos sobre a Lamego Renova, dona da obra, no valor de mais de 624 mil euros. A Lamego Renova, mesmode depois de garantir que o ia fazer, nunca procedeu ao pagamento do crédito cedido, na data do seu vencimento.

Ângelo Moura deixou a garantia em reunião do executivo, que tudo irá fazer para apurar, em triubunal, a quem coube a responsabilidade por este caso.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm