CCDRC assina em Tondela o 1º protocolo de recuperação de casas ardidas e admite avançar com concurso internacional - Edição Jornal
17864
post-template-default,single,single-post,postid-17864,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

CCDRC assina em Tondela o 1º protocolo de recuperação de casas ardidas e admite avançar com concurso internacional

CCDRC assina em Tondela o 1º protocolo de recuperação de casas ardidas e admite avançar com concurso internacional

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, a CCDRC, admite avançar com um concurso internacional para reconstruir casas afetadas pelos incêndios de 15 de outubro, por eventual falta de capacidade de construção civil nacional.

A presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, esteve em Tondela, no passado dia 18 de dezembro, onde foi celebrado o primeiro protocolo de colaboração para a reconstrução de casas afetadas pelos fogos, e admitiu essa possibilidade… disse que nesta altura estão a ser desenhados consórcios para cada um dos concelhos em que há muitas casas de habitação permanente afetadas, tendo tido ofertas de empresas nesse sentido, e deu como exemplo as necessidades para a reconstrução de casas nos concelhos de Pampilhosa da Serra, Arganil, Santa Comba Dão, Oliveira do Hospital e Tondela

A CCDRC garante que será avaliada a saúde e capacidade financeira das empresas, que depois integram um consórcio que também englobe empresas locais, indicadas pelas autarquias afetadas pelos fogos de 15 e 16 de outubro. Caso não haja entidades nacionais disponíveis para liderar as empreitadas, a CCDRC admite um concurso internacional. O objetivo, adiantou Ana Abrunhosa, é que todas as casas de habitação permanente estejam reconstruídas em 2018.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm