COVID-19: FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL JÁ DEFINIU VALOR DO APOIO AOS CLUBES - Edição Jornal
37718
post-template-default,single,single-post,postid-37718,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

COVID-19: FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL JÁ DEFINIU VALOR DO APOIO AOS CLUBES

COVID-19: FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL JÁ DEFINIU VALOR DO APOIO AOS CLUBES

Os clubes do Campeonato de Portugal, e também da Liga feminina, poderão receber um máximo de 27.940 euros durante maio e junho, através do fundo de apoio criado que foi criado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Para os clubes da Liga de futsal, o montante máximo ronda os 20 mil euros. Mais baixo o valor para as equipas da II Divisão de futebol feminino, que vão receber pouco mais de 6 mil euros. Menos dinheiro ainda para as equipas da II Divisão de Futsal, que podem receber 5 mil euros.

Segundo informação da FPF, as equipas do terceiro escalão do futebol masculino e do principal campeonato feminino têm direito a um valor máximo de 13.970 euros durante os dois meses, acima do que será atribuído nas ligas principais de futsal em ambos os setores (9.525 euros mensais).

No campeonato feminino da II divisão, o apoio poderá ascender a 3.175 euros mensais, enquanto no escalão secundário de futsal ficará limitado a 2.500 euros, sendo pago em duas prestações, em 15 de maio e 15 de junho de 2020, de acordo com o regulamento divulgado no sítio oficial da FPF na Internet.

Os clubes dispõem até 30 de abril para apresentarem a candidatura ao fundo de 4,7 milhões de euros, cuja criação foi anunciada na quarta-feira, após o cancelamento dos campeonatos seniores não profissionais da época 2019/20, mas terão de cumprir vários critérios.

Além de estarem obrigados a demonstrar que não têm salários em atraso a jogadores e treinadores e que não foi acionado para o seu plantel o Fundo de Garantia Salarial, instituído pelo Sindicado dos Jogadores, terão de se comprometer em manter na próxima temporada, pelo menos, o mesmo número de equipas/escalão que as inscritas em 2019/20.

A verba é concedida a título de empréstimo, sem juros, e terá de ser liquidada em prestações anuais em junho de 2021 (10% do total), 2022 (25%), 2023 (40%) e 2024 (25%), mas os clubes poderão ficar dispensados de pagar o valor referente ao último ano se cumprirem os mesmos requisitos necessários para aceder ao fundo.

De acordo com o regulamento aprovado pela direção da FPF, os clubes que tenham recorrido à linha de crédito de um milhão de euros que o organismo abriu em 19 de março, também destinada aos clubes não profissionais de futebol e de futsal, “o valor aí requerido será descontado ao valor máximo estabelecido”.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.