COVID-19: PORTUGAL ENTRA NA FASE DE MITIGAÇÃO. O QUE MUDA? - Edição Jornal
37166
post-template-default,single,single-post,postid-37166,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

COVID-19: PORTUGAL ENTRA NA FASE DE MITIGAÇÃO. O QUE MUDA?

COVID-19: PORTUGAL ENTRA NA FASE DE MITIGAÇÃO. O QUE MUDA?

Portugal entra às 0:00 de quinta-feira na fase de mitigação da pandemia da covid-19, o nível de alerta e de resposta mais elevado, segundo o Plano Nacional de Preparação e Resposta.

Esta fase é ativada quando as cadeias de transmissão estão estabelecidas no país, tratando-se de uma situação de epidemia ativa.

O Plano Nacional de Preparação e Resposta à doença pelo novo coronavírus estabelece as três fases de resposta, e a fase de mitigação – nível vermelho de alerta e de resposta máxima – vigora a partir da altura em que há casos de infeção com vírus da covid-19 em território nacional com “cadeias de transmissão em ambientes fechados” e “cadeias de transmissão em ambientes abertos”.

Assim, as medidas de contenção da doença são agora focadas na mitigação dos efeitos da covid-19 e na diminuição da sua propagação, de forma a minimizar “a morbimortalidade [relação entre o número mortes provocadas por determinada doença, num dado local e num certo período de tempo], e/ou até ao surgimento de uma vacina ou novo tratamento eficaz”.

O plano indica ainda que a fase de mitigação é a última fase de resposta antes da fase de recuperação.

A partir da próxima meia-noite, os hospitais e centros de saúde vão ter que se adaptar a novas regras para responder a esta fase de mitigação.

Para já, a prestação de cuidados deixa de estar centralizada nos hospitais, passando a incluir também os cuidados primários. Em cada Agrupamemto de Centros de Saúde terá de existir uma área dedicada à covid-19. Ainda assim, o Governo pede à população que “preferencialmente contacte a linha SNS24” antes de deslocar-se aos centros de saúde.

Com o aumento esperado do número de infetados e o reforço da capacidade para realizar testes de despiste ao vírus, o diagnóstico da infeção passará a ser tendencialmente clínico, pelos sintomas, dispensando progressivamente a validação dos médicos da Linha de Apoio ao Médico libertando-os para a prestação de cuidados nas unidades de saúde.

Serão mais os portugueses infetados, a maioria com sintomas ligeiros e, assim, com indicação para ficarem em casa sob vigilância ativa das autoridades de saúde.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admitiu, na conferência de imprensa diária de hoje que a pandemia no país tem transmissão comunitária, mas assegurou que “não está descontrolada”, e que a partir da meia-noite de hoje vai entrar em funcionamento o novo modelo para abordar a resposta à covid-19, com recurso a medidas de “mitigação”.

O número de mortes associadas ao vírus que provoca a covid-19 subiu para 43 em Portugal, revelou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS), num boletim que regista 2.995 casos de infeção.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.