FIFA ESCLARECE CASOS DOS CONTRATOS DE JOGADORES QUE TERMINAM A 30 DE JUNHO - Edição Jornal
37604
post-template-default,single,single-post,postid-37604,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

FIFA ESCLARECE CASOS DOS CONTRATOS DE JOGADORES QUE TERMINAM A 30 DE JUNHO

FIFA ESCLARECE CASOS DOS CONTRATOS DE JOGADORES QUE TERMINAM A 30 DE JUNHO

A FIFA, organismo que gere o futebol mundial, divulgou um conjunto de orientações para regular algumas situações provocadas pelo prolongar da época, casos de contratos que expiram a 30 de junho, ou mercado de transferências. Uma situação que afeta os clubes profissionais, onde há vários jogadores em final de contrato, como acontece com vários jogadores do Tondela (Cláudio Ramos, Diogo Silva, Moufi, Pepelu, Pité, João reis, Richard Rodrigues, Xavier e Jonathan Toro) e também do Académico de Viseu (Janota, Pica, Lucas Silva, Rui Silva, Fábio Santos, Luisinho e João Mário), segundo dados do transfermarket.

Terminar esta temporada continua a ser a prioridade da FIFA e, como consequência, o organismo definiu, esta terça-feira, algumas orientações sobre alguns temas relevantes:

Contratos a expirar: um contrato a terminar a 30 de junho deve ser prolongado até ao final ‘real’ da temporada; um acordo que começará na próxima temporada deve apenas iniciar-se no arranque ‘real’ da temporada 2020/2021. Caso existam temporadas sobrepostas, a prioridade deve ser atribuída à equipa que detinha os direitos do jogador no início da temporada, de forma a completar a época com o plantel original.

Lay-off’s e cortes salarias: Clubes e funcionários (jogadores e treinadores) devem ser fortemente incentivados a trabalhem juntos para encontrar acordos coletivos apropriados num clube ou liga; decisões unilaterais de variar acordos somente serão reconhecidas quando são feitos de acordo com a lei nacional ou são permitidos dentro de estruturas de acordos coletivos de descontos ou outro mecanismo de acordo coletivo.

Mercado de transferências/períodos de registo: todos os pedidos para a extensão de temporadas serão aceites, todas as solicitações para prorrogar ou alterar os períodos de registro que já aprovado, desde que a sua duração cumpra os requisitos o limite máximo (ou seja, 16 semanas) estabelecido no Regulamento sobre o Status e Transferência de Jogadores (RSTJ); todas as solicitações para alterar ou adiar períodos de registro que não tenham aprovado, desde que a sua duração cumpra os requisitos o limite máximo (ou seja, 16 semanas) estabelecido no RSTJ.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.