Menos incêndios mas mais área ardida em 2019 no distrito de Viseu - Edição Jornal
33880
post-template-default,single,single-post,postid-33880,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Menos incêndios mas mais área ardida em 2019 no distrito de Viseu

Menos incêndios mas mais área ardida em 2019 no distrito de Viseu

No distrito de Viseu foram registados este ano 773 incêndios rurais, que consumiram perto de três mil hectares de mato e floresta.

São dados do relatório provisório do Departamento de Gestão de Fogos Rurais do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, entre 1 de janeiro e 15 de outubro, e que permitem concluir que este ano houve menos incêndios mas mais área ardida. Em 2018 foram cerca de 550 hectares de floresta e mato que arderam no distrito de Viseu e este ano há uma estimativa de 773 hectares consumidos pelas chamas.

Viseu ocupa o 5º lugar na `lista negra´ de incêndios em Portugal, e foi o 4º onde houve mais área ardida.

Ao nível do concelhos, entre os 20 com mais área ardida em 2019, há dois do distrito de Viseu, Castro Daire, com 97 incêndios que consumiram cerca de mil hectares de mato e floresta, e Sernancelhe com 50 incêndios rurais e cerca de 800 hectares de floresta e mato consumidos pelas chamas.

Foi neste dois concelhos que se registaram os dois maiores incêndios do ano no distrito, casos de Sarzeda, em Sernancelhe, e Moledo e Monteiras no concelho de Castro Daire.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm