Misericórdia de Lamego recebe rendas em atraso do antigo Hospital Distrital - Edição Jornal
17201
post-template-default,single,single-post,postid-17201,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Misericórdia de Lamego recebe rendas em atraso do antigo Hospital Distrital

Misericórdia de Lamego recebe rendas em atraso do antigo Hospital Distrital

A Misericórdia de Lamego, no final do passado mês de setembro, foi indemnizada pelo valor das rendas em atraso que lhe eram devidas relativas ao antigo Hospital Distrital de Lamego. O acordo foi alcançado após esta instituição, o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Administração Regional de Saúde do Norte terem chegado a consenso, “na sequência de intensas e difíceis negociações”, que permitirá que esta Misericórdia, proprietária do emblemático equipamento, seja “ressarcida dos valores que eram devidos”, adianta o Provedor António Marques Luís.

Recorde-se que o edifício que albergou durante mais de 100 anos o antigo Hospital Distrital, responsável pela prestação de cuidados de saúde à população do Douro Sul, está inativo desde abril de 2013, devido à entrada em funcionamento do novo Hospital de Proximidade de Lamego, construído junto da A24.

Entretanto, com o objetivo de rentabilizar as instalações do antigo Hospital, que por enquanto estão devolutas, já foi alugada uma ala do edifício para a instalação de um centro de hemodiálise, através de um acordo alcançado com um grupo de médicos nefrologistas. “Continuamos a trabalhar intensamente para captar potenciais investidores e garantir, deste modo, a ocupação do restante espaço livre”, afirma Marques Luís. A Misericórdia de Lamego privilegiará a criação de novos serviços que apoiem a proteção e o desenvolvimento da comunidade onde se situa,  assegurando ao mesmo tempo a suasustentabilidade financeira. “Existem várias opções em aberto”, adianta.

“Queremos que esta instituição seja uma referência na prestação de cuidados nas diferentes áreas em que atua, a custos economicamente comportáveis e sustentáveis, e que seja uma alavanca do crescimento económico e social do concelho de Lamego”, explica.