Museu do Caramulo inaugura exposições "Volkswagen: 80 Anos ao Serviço do Povo" e "Bicicletas com História" - Edição Jornal
18204
post-template-default,single,single-post,postid-18204,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.3,vc_responsive

Museu do Caramulo inaugura exposições “Volkswagen: 80 Anos ao Serviço do Povo” e “Bicicletas com História”

Museu do Caramulo inaugura exposições “Volkswagen: 80 Anos ao Serviço do Povo” e “Bicicletas com História”

O Museu do Caramulo vai inaugurar no próximo Sábado, dia 3 de fevereiro, as exposições temporárias “Volkswagen: 80 Anos ao Serviço do Povo” e “Bicicletas com História”.

Segundo Tiago Patrício Gouveia, Director do Museu do Caramulo, “a inauguração de duas exposições em simultâneo evidencia o dinamismo criado pelo Museu do Caramulo na organização de exposições temporárias. Não queríamos deixar de assinalar os oitenta anos da Volkswagen, com uma mostra dos modelos mais emblemáticos da marca e com a exposição “Bicicletas com História”, pretendemos abordar a história do que é considerado, actualmente, o meio de transporte mais utilizado do mundo, a bicicleta.”

“Volkswagen: 80 Anos ao Serviço do Povo”
O termo “Volkswagen” surgiu em 1924, pelo engenheiro alemão Josef Ganz, que lutava para modernizar a indústria automobilística alemã. Em 1933, durante a visita ao Salão Internacional do Automóvel de Berlim, Adolf Hitler viu no projecto “Volkswagen” uma forma eficiente de propaganda Nazi e encarregou Ferdinand Porsche de desenvolver o modelo que ficaria conhecido na Alemanha como “Käfer”, em Portugal como “Carocha” e nos Estados Unidos e Grã-Bretanha como “Beetle”.

Em 1938, o governo alemão apresentou o “KdF-Wagen”, mais tarde denominado “Volkswagen Carocha”, produzido na cidade fábrica KdF-Stadt, hoje conhecida como Wolfsburg e sede do Grupo Volkswagen.

“Bicicletas com História”
Ao longo dos séculos conhecem-se várias tentativas de criar um meio de locomoção de duas rodas, mas, só em 1790, pelas mãos do conde francês Sivrac, surge a máquina a que deu o nome de “Celerífero”, construído todo em madeira e com duas rodas alinhadas, uma atrás da outra, unidas por uma viga onde se podia sentar.

Em 1817 surgia a “Draisiana”, propulsionada pelo andar do seu condutor e patenteada em 1818 pelo alemão Barão Karl von Drais. Em 1839, o escocês Kirkpatrick Macmillan adapta-lhe um sistema de pedais.

Esta e outras notícias para ouvir em desenvolvimento na Estação Diária – 96.8 FM ou em www.968.fm.